Um tempo de líderes inacessíveis

inacessiveis
Já tentou entrar em contato com um empresário e teve que se envolver em uma verdadeira maratona para conseguir um minuto de sua atenção?  O perfil da maioria dos empresários brasileiros (nem precisa ser rico e importante, basta se sentir empresário) é de total incompetência no nível das comunicações forçando o quadro de falências a ser ainda mais alarmantes, porque empresas que não se comunicam não se integram com seus clientes e potenciais consumidores nunca conseguem desbravar no mercado,

porque são eles, os “desprezíveis” consumidores que regulam o mercado e dita quem permanece e quem tem que sair, portanto, desprezar pessoas, tanto as que consomem como as que oferecem novas soluções para uma empresa é se autoexcluir de um mercado, cada vez mais competitivo.

 O problema não seria tão grave e destruidor se permanecesse tão somente na classe empresarial, infelizmente este tipo comportamento é copiado por muitos pastores e líderes.  Quer conhecer uma história incrível que vivi pessoalmente? Há poucos anos atrás éramos uma equipe de mais ou menos quinze pastores e naturalmente tínhamos um pastor líder coordenador que se achava “a pedra que matou Golias” e nesse mar de vaidades ele tinha outra característica. “Eu não ligo para liderados, se quiserem vocês que me liguem!” Dizia sempre. Essa postura era uma de suas políticas de liderança. Se você acha que esse caso é raro está comentando um terrível equívoco, estas e outras formas de tratamento ainda muito mais graves são algo comum entre muitos líderes e o pior é que  fazem isso por pura vaidade.

Embora muitos não compreendam e pensem que não precisa, a comunicação é a maior arma de um líder. Grandes líderes devem ser grandes comunicadores, pois somente assim terão a possibilidade de vender os seus sonhos, revelar suas estratégias e fazer com que seus companheiros compreendam suas intenções e projetos. Além do mais, a igreja precisa urgente se conscientizar da distinção entre cargo e liderança. Não são poucos os que pensam que basta ocupar o cargo e pronto, tudo está resolvido. Ter um cargo é apenas um degrau e o líder deve usá-lo para conquistar e não se autoafirmar e nem muito menos para se sentir acima ou melhor do que aqueles que o segue. O líder sábio sabe que deve conquistar as pessoas fazendo-as enxergar que além do cargo, ele também tem um coração, amável, compreensivo e generoso, então ele usa a comunicação para fazer isso.

Há uma grande crise de audição nas igrejas. A maioria dos líderes está deixando de ouvir as pessoas, chegam ao ponto de pressionar psicologicamente para que terminem logo o assunto, porque realmente não querem ouvir e quando param para ouvir, suas mentes automáticas disparam a tirar conclusões superficiais o que resulta em respostas simplistas por mais complexo que seja o assunto. Em resumo, ouvem a quem interessa e o que lhes interessa, o resto “entra em um ouvido e sai no outro”.

Nunca existirá o bom líder se ele não for um bom ouvinte. O bom ouvinte é conhecido pelos seguintes sinais.

Ele para e ouve,
Ouve antes de falar;
Ele demonstra satisfação em ouvir;
Ele dedica um tempo especial para ouvir;
Ele procura compreender o que está ouvindo;
Ele faz colocações satisfatórias à quem esta falando;
Ele espera a pessoa concluir o que tem a dizer;
Ele tem uma posição ou uma resposta concreta e convincente quando termina de ouvir
Ele guarda o que ouve.

Agora o líder que é um mau ouvinte pratica quase tudo ao contrário:

Ele pára para ouvir, mas não ouve. Sua mente está em algo que acha mais importante
Fala antes de ouvir;
Ele demonstra insatisfação ao ouvir;
Ele faz pressões psicológicas demonstrando que tem pouco tempo para ouvir;
Ele não procura entender o que está sendo dito;
Ele faz colocações distantes do que está ouvindo;
Ele nunca espera a pessoa concluir o que tem a dizer;
Ele tem uma posição automática e uma resposta que não convence;
Ele não se lembra mais do que ouviu e nem do que falou ou prometeu.

O líder que não aprendeu a ouvir frustra os seus companheiros e demonstra desinteresse pelo seu povo, o que com o tempo desgastará sua liderança. Há um antigo dito secular que diz “um ouvido fechado é sinal de uma mente fechada. Quero ir mais longe ainda. Tenho absoluta certeza de que um ouvido fechado é sinal de um coração fechado e de propósitos fechados, ou seja, o líder que não ouve demonstra que não tem lugar para as pessoas  em sua vida e nem em seus projetos.

Mas tem a desculpa do tempo e do acumulo de tarefas. Alguém pode pensar: “mas sou muito atarefado!” Para o verdadeiro líder, a principal tarefa constitui em fazer o povo feliz. Nunca se esqueça: Em um processo de liderança se o povo está feliz com líder lhe será sempre sempre favorável, se está infeliz se torna defensivo e sempre contrário a tudo. A felicidade do povo só existe onde há uma liderança estruturada para atender seus anseios e expectativas. Se você é um líder “multitarefa” no mínimo terá que ter uma secretária muito bem escolhida, cujo coração não apresente nem uma sombra pró-forma (tratamento apenas por formalidade, sem franqueza ou padronizado com as necessidades da organização) e despache satisfatoriamente o povo. Se você tem uma secretária só para falar que você estánão pode atender, ou, principalmente que está ocupado ou  para demonstrar que as pessoas são um incomodo ali. Demita-a, com urgência.

Autor: Adeneir Sousa de Oliveira Pastor, escritor,  consultor em liderança espiritual, palestrante motivacional e matrimonial .

Todos os direitos reservados ao autor. É expressamente proibida a divulgação por quaisquer meios sem autrorização concreta do autor.

Artigos da Série: As tentações destrutivas da liderança.
Para pessoas diferentes tratamentos diferentes
Um tempo de lideres inacessíveis

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>