liderança

Devo ser liberal ou conservador?

Devo ser liberal ou conservador?
Quando comecei a escrever este artigo, por um momento quase desisti. Confesso que eu não tinha a mínima noção da complexidade que o tema apresenta. Você talvez já se questionou por muita vezes sobre sua postura em relação à determinadas posições assumidas pela igreja. “Será que não sou rigoroso demais?” ou “será que não sou complacente demais”? Se você é um líder, então, deve entender a pressão que é conviver com essas duas classes de seres humanos, cada uma com um interesse e uma visão distinta e ambas querendo assumir o controle das regras.

Eles estão em todos os lugares. Na política, nas empresas, nas famílias e na igreja também. Já foram até objeto de estudo. A revista especializada “Current Biology”. Revelou que as pessoas com inclinações políticas liberais tem uma estrutura cerebral diferente da dos conservadores. O estudo também comprovou que os conservadores são mais sensíveis ao desgosto e tendem a ser mais agressivos quando se sentem ameaçados. Os liberais por sua vez, apresentam mais facilidade para lidar com os conflitos e com as incertezas, por isso conseguem manter pontos de vista mais liberais e como lidam melhor com o medo acabam arriscando mais em defesa deles.

A verdade é que por traz dos rostinhos tão lindos e simpáticos estão personalidades diferentes. Enquanto alguns querem “deixar a coisa correr frouxa”, alegando que precisam de compreensão e de um pouco mais de liberdade, há outros que querem ver essa liberdade reprimida em nome daquilo chamam de “bons costumes”. O líder deve ter maturidade para se colocar entre “esse fogo cruzado”, para não correr o risco de iniciar uma guerra ou uma divisão mortal dentro da igreja.

Há uma ideia propagada que afirma que as pessoas de mais idade são as mais conservadoras, mas já notei que isso não procede. Existem jovens que são extremamente conservadores e pessoas de mais idade totalmente liberais, ou seja, o comportamento está mais ligado à personalidade do que à idade. Sendo algo que provém da personalidade, então você pode ser o que é. Se tem ideias conservadoras vai continuar sempre assim. Se tem ideias liberais também será sempre assim. O importante é que saiba que não pode deixar de evoluir em prol da comunhão e da felicidade de seu próximo. Cada classe deixa sua contribuição para que o equilíbrio da igreja seja mantido, mas há alguns pontos que devem ser cuidadosamente observados.

Ideias liberais não tem valor se forem aplicadas para confrontar. Esse é um comportamento que apesar de comum é muito prejudicial à saúde da igreja.

Ideias conservadoras também não tem valor quando usadas como arma para que pessoas mantenham seus cargos ou posições. Esse também é um comportamento comum, muitos conservadores atacam os liberais e reagem negativamente à suas ideias porque se sentem ameaçados, uma vez que as ideias inovadoras são mais bem recebidas pelo povo em geral.

Há aqueles que pensam ser conservadores mais que no fundo, são saudosistas. Os saudosistas são aqueles que não absorvem nenhuma mudança e querem viver com os pés fincados em ideias e costumes do passado que em muitos casos, foram abandonados porque não trouxeram nenhum resultado benigno.

Ser liberal também não é ser modernista. Os modernistas são os que querem banir, sem nenhuma avaliação, até o que é bom para a igreja, simplesmente por ser uma prática mais antiga. Há princípios que não devem ser quebrados sob nenhuma hipótese pois a igreja jamais deve deixar de ser mantenedora dos valores bíblicos e éticos.

Tanto liberais como conservadores podem fugir dos padrões de Deus quando agem com extremismo. Toda nova prática é bem vinda se está amparada pela Bíblia ou se traz edificação. Toda antiga prática deve ser abandonada se não apresenta respaldo bíblico ou não traz edificação.

Ser liberal ou conservador não significa ser radical. Não importa de qual lado ele venha, o radicalismo deve ser evitado por ser uma visão sem flexibilidade. Há muitas igrejas que pregam e até se orgulham de manter um sistema radical, mas os séculos de existência humana já provaram que o radicalismo gera pessoas infelizes e hipócritas porque é uma modalidade que visa mais o sistema do que as próprias pessoas. Até hoje não existe uma história bem sucedida onde pessoas foram subjugadas em defesa de um sistema.

Enfim, as ideias, a formação e as ambições são muito complexas e estão exatamente dentro de nós. O importante é que sejamos direcionados e unidos pelo amor fraternal. Tanto faz se você é um liberal ou um conservador, desde que seja equilibrado. Não adianta defender uma posição se você já se tornou escravo dela. Ter equilíbrio é saber exatamente abrir mão de um conceito, nem que seja por um tempo, para que o nosso próximo se sinta feliz e continue caminhando conosco até receber o entendimento daquilo que realmente deve ser feito.

Autor: Pastor Adeneir Sousa de Oliveira

É proibido qualquer tipo de divulgação ou reprodução sem autorização por escrito do autor.

A tentação do autoritarismo

autoritarismo
A questão da autoridade é algo ainda muito mal interpretado na Igreja do Senhor. Muitas pessoas, pelo fato de ocuparem uma posição mais elevada estão sujeitas a cair na tentação de pensar que são algum tipo de autoridade superior no Reino de Deus e baseados nestes pensamentos entristecem e destroem a simplicidade da servidão.

Esse comportamento na maioria das vezes é ocasionado pela insegurança ou por medo de questionamentos e faz parte de uma teologia arcaica herdada e fundamentada em alguns acontecimentos do antigo testamento, apesar de que essa é uma postura simples de ser refutada. O tempo do Antigo Testamento é todo regido pela lei dura e fria e o foco era o cumprimento dos preceitos, fossem eles dados pela escrita ou pela revelação em meio há uma cultura onde a liderança era totalmente autoritária e muitas vezes até tirana por todos os lados. Através dos ensinos de Cristo, o Novo testamento já nos mostra que toda base de nossa espiritualidade deve ser o amor a Deus e ao próximo. Cristo nos ensinou pela sua própria postura diversos princípios que até então nunca tinham sido vistos, entre eles estão: perdoar, servir, suportar afrontas, ser exemplo, amar até quem nos odeia, ser paciente, retribuir o mal com o bem entre outros muitos.

Em nossos dias, mesmo em meio há uma cultura totalmente servil e defensora da igualdade. É muito comum ouvir pessoas dizendo ser mais possuidoras do amor e da autoridade de Deus do que outras enfatizando que devem merecer o diferenciado respeito dos demais por isso. Chegam a pensar que Deus intervirá e até matará os que ousarem manifestar desejos que choquem com seus propósitos. Que engano lamentável para quem assim pensa! Confesso que a autoridade como é pronunciada nos púlpitos e nas reuniões de ministros sempre me soou estranha aos ouvidos. Jamais consegui crer que Deus deu a um servo o direito de ter autoridade diferenciada sobre o outro, a não ser o servir voluntário, pois isso seria a elevação de um pecador em virtude da diminuição do outro estando ambos engajados na mesma causa. Esse tipo de tratamento realmente não faz parte do caráter inquestionável de Deus.

Considero como sinal de grande fraqueza quando vejo qualquer tipo de líder, independente da posição que ocupe arrogando para si o respeito que acha que lhe é devido, alegando ser possuidor de algum tipo de  autoridade advinda dos céus. Na verdade quem precisa cobrar autoridade é porque não a tem e quem pede obediência é justamente porque não está merecendo a mesma. Ora, se alguém é portador de algum tipo de autoridade não precisa lembrar ninguém que tem essa autoridade e se as pessoas não conseguem visualizar essa autoridade sinceramente é porque ela não existe. Quem manda não precisa lembrar que manda aquele que precisa constantemente lembrar que é ele quem manda então é porque não está mandando nada.

Mas a Bíblia não afirma que Deus nos deu autoridade? Sim, mas quando fazemos uma análise completa de todos os textos que mencionam sobre autoridade nas Sagradas Escrituras logo chegamos às seguintes conclusões:

A autoridade dada por Cristo aos homens é limitada apenas ao mundo espiritual, ou seja, Para pregar e ensinar a sua Palavra, sobre os demônios, as opressões, as maldades, as enfermidades e qualquer tipo de resistência ou batalha nos limites espirituais. Ver (Mt 10.1).

A Bíblia se refere à autoridade humana apenas quando fala dos poderes que governam ou cuidam da ordem no mundo físico: Soldados, governos, magistrados etc…(líderes e pastores estão fora).

A Bíblia não da nenhuma ênfase à autoridade humana, ou seja, ela não abona o fato de um ter que se submeter aos caprichos de outro mesmo estando este em uma posição mais elevada. Veja o que Cristo disse:

Jesus, pois, chamou-os para junto de si e lhes disse: Sabeis que os governadores dos gentios os dominam, e os seus grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; antes, qualquer que entre vós quiser tornar-se grande, será esse o que vos sirva; (Mt 20.25,26).

Muitos pensam necessitar deste tipo de autoridade, a humana para prestar um bom trabalho para o Senhor, mas ela mais destrói do que edifica. Os maiores problemas da igreja envolvem as grandes lideranças e infelizmente esse desejo desenfreado por poder e domínio tem subjugado as pessoas, matado e roubado o compromisso do povo de Deus. Toda vez que um líder exige ligações como: submissão, lealdade e obediência, automaticamente ele está transmitindo a ideia de uma igreja dominada por forças humanas e não é esse o propósito de Deus. Ninguém suporta o autoritarismo, ninguém suporta a altivez e ninguém consegue conviver muito tempo com a ditadura espiritual.

Mas a igreja sobreviveria sem a autoridade de uns e a submissão de outros? Afirmo diligentemente que não. São atributos totalmente necessários tanto para a saúde quanto para o avanço da igreja. O problema está na fonte destas ideologias. Deus realmente quer que seus líderes tenham autoridade, mas Cristo nos ensinou que essa autoridade não deve ser imposta e sim conquistada, ela não pode e não deve interferir na paz e na alegria de servir. Como marido eu não posso exigir submissão de minha esposa mesmo sabendo que este deve ser o papel dela. Essa submissão não pode sofrer nenhum tipo de intervenção a não ser a força da conquista diária, se eu a faço se sentir como esposa logo ela me permite sentir como marido, mas se a faço sentir como um “capacho” ela passa a me ver como um monstro. Eu não devo impor ou exigir  submissão, eu devo fazer de tudo para merecê-la. É uma grande utopia pensar que uma esposa viverá para sempre ao lado do esposo simplesmente por submissão e da mesma forma acontece na liderança.

Líderes precisam alcançar um sucesso muito natural e com raízes profundas no meio de seu povo se quiser influenciá-lo. Ele deve ser seguido, mas não por imposição, insegurança ou medo. Essa relação deve acontecer por formas de exemplo, de conquista, de admiração e reconhecimento. Autoridade de Deus não se impõe Deus a deixou nas mãos do povo e ele, o povo que nos devolve a mesma  em sinal de gratidão, admiração e respeito. O sabor deste tipo de autoridade é muito especial, mas somente os verdadeiros líderes estão sujeitos a experimentá-lo.

Quanto à submissão e a obediência jamais devemos exigi-las.  Aconselho que você esqueça essas palavras, risque-as  de seu vocabulário e somente as use se for para aplicar em sua própria vida e nunca na de outros. No lugar de viver repetindo essas palavras invista em construir companheiros, oferecendo o mesmo nível de respeito que almeja receber. A receita de Cristo para os que querem se tornar em grandes homens de Deus e desfrutar da honra, do prestígio e do poder não tem nenhum segredo especial:  “Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós a eles; porque esta é a lei e os profetas”.  Qualquer outro caminho é tido como altivez, arrogância e egoísmo e isso é pecado tanto para “grandes” como para “pequenos”.

Por: Adeneir Sousa

A tentação de esquecer quem somos

quem-somos
Sou uma pessoa até bem informada, leio muito, pesquiso, procuro descobrir os segredos de grandes homens, quem eles são e como fizeram… Interesso-me pela vida de pessoas interessantes, aliás eu amo vidas, principalmente aquelas que podem acrescentar alguma coisa à minha para que eu também tenha como acrescentar à de outros. O fato é que não tive a curiosidade de pesquisar ainda o nome de certas pessoas que fazem a diferença no mundo e alguns deles eu realmente não sei quem são ou o que fazem.